30 de junho de 2009

Quero lá.. lá.. lá..iá Porque eu tô voltando!

E ao que se deve o ar da minha graça por essas bandas? Um post de reflexão barata e intimista.

Não passava das onze horas da manhã e eu fazia um esforço quase sobrenatural para recordar toda a discussão da aula matinal de hoje. Lasswell é um cara do mal. Acreditem! São teorias, funções, vértices e valores que nem o mais calejado dos professores conseguiria enfiar-nos goela abaixo. "Oh, céus, o que fazer?". Música para relaxar. Uma seleção eclética, pra não enjoar! Põe forró? Não, porque se não dá vontade de dançar e aí desconcentra! Põe Zé Ramalho, pra relembrar o show; e põe Elba e Alceu, porque são bons. Tom, Chico, Fagner (ahhh... eu acho aquela voz de taquara rachada nordestina um charme!) e põe Simone. Simone? É, hoje deu vontade de ouvir...
Toca uma, duas, três... Começa um sambinha. Eu reconheço, sei que é ela. Porque eu gosto tanto dela assim? Nem sou uma grande fã de samba... E nem de Simone. É porque lembra minha mãe em dia de domingo, quando liga o som bem alto, veste o avental, enche uma taça de vinho e começa e cantar enquanto faz o almoço? É porque a letra é gostosa e faz a gente imaginar tudo tintim por tintim? Ou é porque a letra tem todo um contexto histórico que a gente nem imagina? Ah! Sei lá!
E é nisso que eu queria fazer um gancho: uma letra que a gente nem imagina o porquê. Quem escuta acha que é só mais um amor cheio de saudades em seu regresso. Prepare tudo; deixe tudo do jeitinho que gosto; nada pode dar errado; por que eu 'tô voltando... Mas é só dar uma "googada" ( oO ) e ver que o Paulo César Pinheiro e o Maurício Tapajós não estavam só com saudades de suas digníssimas. Era uma saudade maior... Saudade de um lugar, de um povo, de sua gente, do calor, desse clima de raxar a mulêra de qualquer um, do sutaques ( doS sutaques, melhor dizendo), dos amigos, de casa, de um cheiro, de uma afago, da terra natal. Era o fim! O fim de uma época de dor e de saudades, em que tudo era trevas.
O exílio acabou!!!
Prepare tudo que eu 'TÔ VOLTANDO!!!


29 de junho de 2009

Olha o Frevoooo!!!

"Tenha fé no azul que 'tá no frevo, que azul é a cor da alegria do cavalo mambembe sem relevos, do galope de Olinda pra Bahia!!"

Entendeu nada, foi?! rs Se avexe não que a gente resolve. Isso foi só pra introduzir o post de hoje, que vem direto de Olinda e Recife. É que o frevo, esse senhor de 102 anos, merece, sim, muito respeito e consideração. São 102 anos de muita cultura, tradição, coreografias, passistas, fugurino... Coisa que o tempo não mata, que as gerações cultivam e que se transforma!


E é nessa parte -transforma!- que o nosso post começa de verdade! O tradicional é bom, mas não significa que a inovação seja ruim! E é aqui que eu lhes apresento, senhoras e senhores, a Spok Frevo Orquestra. Confundiu? Eu explico!


Em 2001 surge, sob o comando dos grandes saxofonistas Inaldo 'Spok' Albuquerque e Gilberto Pontes, a Spok Frevo Orquestra. Contam com 18 integrantes, feito uma "big band", cheios de vontade para criar novidades harmônicas e melódicas no clássico gênero. Que não esquecem o respeito ao passado e acham novas propostas de futuro. Só pra informar, na Spok Frevo Orquestra todos os músicos são talentosos improvisadores. Isso ai! Está certo que frevo não vive de improviso, mas também não saberia existir sem ele! Com dois anos de formação já se apresentavam no festival na cidade de Nantes, França, e em muitas cidades brasileiras mesmo, incluindo clubes de jazz.

Ao contrário do que acontece em muitos grupos de frevo, na Spok Frevo o importante é o FREVO! Nada de banda escondidinha lá nos fundos com dançarinos saracudiando sombrinhas no primeiro plano. Não é um show pra dançar (mesmo que você morra de vontade! E isso irá acontecer, meu caro.). Você está assistindo à apresentação de uma orquestra, amigo. Comporte-se! Mexa só os pesinhos, feche os olhos e deixe-se levar. É frevo, opa!!! Mas vou abrir o jogo: há uma bailarina sim! Dança que encanta! E é acompanhada por meninos da Escola do Frevo, que não fazem feio!



E não importa como ele seja: coqueiro (puxado pelas notas agudas, acima da pauta, dos trompetes), ventania (pelos saxofones e as nuances do sopro em palheta de madeira) ou abafa (quando a afinação fica de lado e o que vale é fazer sumir o que toca a orquestra do clube rival, ali subindo a rua na direção oposta) - as informações desse parágrafo - até aqui! rs - foram surrupiadas do blog Sobre Música - o que eles querem é levar até o público do Brasil e do mundo o que é o frevo de rua, que lembra o jazz e seu jingado.

Constantemente há participações porretas! Lenine (que quando canta, me encanta!!), Beth Carvalho, Leo Gandelman e cantores regionais como Almir e Kelly são alguns nomes que prestigiaram - ou tiveram ilustre prestigio? oO - a Spok em belíssimos duetos.

Ficou na vontade também? Não se aperreie! Não foi o único! E não.. eu nunca vi ao vivo... AINDA!! Recife que me aguarde, porque um dia eu ainda hei de me acostar por lá! rs

26 de junho de 2009

Eu fiz um videeeeeeeeeeo!!!!

Sabe aqueles vídeozinhos suuuper auto-ajuda, que te dão uma mão na hora de "descobrir" o que é alguma coisa? Pois é! Fiz um terríveeeeeeeeeel sobre o que é o BLUES... O que não se faz por uns pontinhos, hein? rs

Mas estou muito orgulhosa! Pra quem nem sabia que o movie maker JÁ vinha no pc, eu mandei muito bem! =)


video

25 de junho de 2009

Super Achado!

Gente, eu super hiper mega descobri um blog que estou amando acompanhar! É o Can You Read My Mind?, da Caroline, de São Paulo.

E nesses dis ela postou uma música de uma banda que eu nem conhecia, porque não faz meu estilo MESMO! Mas eu acabei gostando de verdade e não paro de ouvir agora. O meu mp4 pede descanso! rs

E eu, como uma boa alma que sou, vou compartilhar a informação. Com vocês, Kings of Lion, com a música Use Somebody.
E eu recomendo o blog dela SEMPRE!
=)

24 de junho de 2009

18 ´till I die!

Que "crescer não é fácil" a gente já sabe. Mais clichê impossível! Mas no fundo, no fundo, a gente beeem sabe que é verdade.

Estágio, faculdade, limpar casa, lavar roupa, se virar... Jésus! Bryan Adms que está certo... 18 ´till I die!

23 de junho de 2009

Lerê Lerê...

Sabe um dia em que você está podre, morta, cansada, pedindo arrêgo? Pois é! It´s me, baby.


Por que?
Por uma prova que eu virei noite estudando (e no final valeu a pena!), pelo estágio que me fez "viajar" até um lugar em Cariacica (Tucum, conhece?) e passar toooda a tarde, pelo clipping que estou atualizando freneticamente, pelos trabalhos de Sociologia e Semiótica que nem comecei, mas já me assombram...


Então, a trilha sonora dos meus últimos dias é essa aqui ó, e beeem merecida!




E gente, não importa as imagens, o vídeo é do Youtube... Se liga na música!

22 de junho de 2009

Parceria Que Dá Certo!

Gente, eu suuuper amo essa música! Olha como ela é lindinha, cheia de ginga e ah, é em espanhol, né? Fica muito mais charmoso. Opinião minha...

Tá, eu suuper amo o Juanes e suuuper não conheço o trabalho da Nelly Furtado (só as duas músicas dela em parceria com o Juanes e uma com Justin TUDODEBOM Timbarlake), mas acho que a parceria dá certo de verdade. Ele combinam e não soa vulgar como algumas que a gente vê por aí (A Shakira com o Alejandro Sanz, por exemplo! pronto.falei! xD ).

Escuta só e dá uma nota, ae!
=)




'E quem puder entender, que escute!

19 de junho de 2009

Summer of 69...

Eu me lembro bem daquela época. A gente não tinha responsabilidades, se ocupava em matar a escola, ensaiar na garagem do Jim e namorar na soleira da porta. Tudo era tão bom no verão de 69. Mas nada mais seria igual...

Mas você se lembra? Se lembra da tardes na casa do Joe escutando The Beatles, ou das noites em que saíamos pra dançar? De que eu queria ter dezoito anos pra sempre e que sua mãe vigiava a gente na porta da sua casa? De como eu era bom na guitarra e como o Jim era péssimo na bateria, mas a gente sempre falava pra ele que estava ótimo? Pois é, eu continuo tocando, hoje levo isso a sério, ainda que você não saiba. E continuo querendo ter dezoito anos pra sempre. Eu gostaría muito de saber do Jim, e se ele ainda tenta alguma coisa com a bateria. Será que eu o reconheceria? Afinal, já se foram quarenta anos.... Ah, 69!

Será que eu te reconheceria, e você a mim? São tantas perguntas... Algumas eu musiquei, outras eu simplesmente guardei e quando achar a resposta, musico também. E a gente tinha prometido, né? Que ia esperar o outro pra sempre. Mas eu entendo, não é culpa de ninguém. As coisas simplesmente acontecem... Mas é que eu sinto tanta saudades daquele tempo e penso como poderia ter sido diferente.

Seria tudo tão igual ao que planejamos... A gente morando na casa do lado, com jardim e lareira. E uma garagem pra gente continuar tocando. Talvez a banda até seguiria em frente e faria sucesso. Aquela coisa de viajar todo mundo numa van, correndo de uma cidade pra outra. Eu chegando em casa, e você me esperando. Era assim que a gente queria, não era? Eu sei que sim. E se não tivesse show pra fazer, eu ainda teria a loja do meu pai pra trabalhar e você seria professora. É, você queria muito ensinar na escola primária. A gente queria tanta coisa...

Eu nem sei porquê estou escrendo tudo isso. Saudosismo besta! Mas é que às vezes só pensar não surte efeito nenhum! E eu já não consigo fazer mais nada. Espero que se você algum dia respondesse, seria dizendo que o verão de 69 também foi o melhor da sua vida!


18 de junho de 2009

Fica a Dica...

Dvd ao vivo da cantora Luísa Possi (éééé, eu juro!). O trabalho se chama A Vida É Mesmo Agora e está muito bacana. Arranjos legais, músicas boas (de verdadeee) e eu gosto mesmo da presença dela de palco.

A múcisa preferida é Eu Não, uma versão da espanhola No Voy a Ser Yo. Olha o vídeozinho aí =)



17 de junho de 2009

Não é Estefhany, Mas é Absoluta!

Eu já falei dela? Da Laura Pausini? Não?? Ahh... Pelo amor, né?
Falta minha! Confesso.

Amo-a! Linda, talentosa, cheia de estilo, voz potente e tem as melhores parcerias que eu já vi e ouvi. E a danada canta em umas quatro línguas. Quer mais? No way, né baby? Pena que a Sandy encarnou nela e fez tudo quanto é péssima versão... É, eu já manifestei aqui o quanto o meu santo não bate com dela.

Mas voltando à Laura, gente, ela está sumida do Brasil, por onde ela já passou váááárias vezes. Deve estar bombando por esse mundo a fora e eu aqui... Mas um dia ainda hei de vê-la ao vivo e a cores! =)




'E quem puder entender, que escute!

16 de junho de 2009

Vem Dançar!

Adooooro essa música e adoooro esse filme e amooo de com toooda paixão essa dança.
Pronto! Não tem mais o que falar!
=]



É, eu sei... Também moooorro de inveja!

15 de junho de 2009

Rapidiiiiinhas!

Alguns breeeves comentários sobre os programas musicais que rolaram no feriado, enquanto eu estava descisada (sem ciso!):
Em Alegre - E.S...
Lulu Santos tocou preferindo estar no inferno a estar no frio Alegrense, é o que dizem as más línguas e os jornais capixabas. E pra ajudar, o som pifou! hahaha
O grupo Monobloco arrebentou mais uma vez! A banda mostrou seu repertório variado e cheeeeio de coisa boa!
A Banda Eva foi caso à parte, com seu show de 3:30h de duração. E só parou porque foram intimados (exatamente!) pela PM a dar um fim na apresentação, por causa do horário. E ainda têm a audácia de dizer que baiano é preguiçoso...
Quem fez bonito também foi o Paralamas junto com Titãs. A turnê tem dado suuuper certo, e a turma vai ao delírio quando o Hebert Viana canta óculos!
Sobre o Festival de Rio das Ostras, escutei rumores MARAVILHOSOS! Ninguém citando uma falhazinha se quer. Também pudera, né? =) A inveja corroeu a minha pessoa!

10 de junho de 2009

E Por Falar Em Jazz...

Fica a dica preciosa pra quem mora na capital capixaba: Spiriti Jazz
Apesar do nome cheio de fricote, a casa é boa, a música é de primeira e eu amei! =) Apesar de não ter 30,00 pra dar todo final de semana, às vezes minha sede de cultura é taaanta que eu dou trintão mesmo! E feliz da vida!
Grandes nomes já passaram por lá, desde sua inauguração, em 15 de novembro de 2008. Filó Machado, os descendentes da família Cayme e tantos outros.
Já que Rio das Ostras é uma vez ao ano... rs
Spirit Jazz
Shopping Via Cruzeiro
Rua Madeira de Freitas
Praia do Canto - Vitória/ES
Informações: 27 3225 0269

9 de junho de 2009

Tabacarana - Sambalanço!

Gostei dessa história de entrevista! =)

E quem vem hoje falar pra gente é o Andrey Junca, baixista da Tabacarana. A banda leva para os capixabas o melhor do samba rock: de Jorge Ben Jor a Amy Winehouse, mostrando uma mistura de estilos e vibração contagiante. Figurinha certa nas melhores casas de shows de Vitória, a turma mostra a que veio com qualidade e competência!

Mesmo sendo requisitado de última hora, o Andrey separou um tempinho na agenda corrida e contou da história da banda, o que pensa sobre o mercado e o futuro da Tabacarana e do cenário musical brasileiro.

M: A primeira é clássica, por que Tabacarana?
A: Essa é clássica mesmo! Todo mundo faz essa pergunta. Na primeira formação da banda, os integrantes precisaram arrumar um nome pra tocar num evento. O percussionista da época, Vinícius Valiati, abriu o dicionário e apontou uma palavra. Adivinha qual era a palavra? TABACARANA é uma planta com atributos medicinais recorrente na região norte do Brasil.Além do significado bem brasileiro, o nome também tem uma sonoridade bem percussiva. Gostamos dele!

P: A banda foi uma idéia de "juntar amigos que gostavam de música" ou os integrantes foram unidos por causa da banda?
R: A banda começou em Viçosa, a partir da reunião de amigos, todos universitários, que curtiam o samba rock. No início, contava com uns 6 ou 7 integrantes. Quando o Juliano veio pra Vitória e teve a ideia de resgatar o projeto, eu e o Thiago fomos convidados para integrar a nova formação da Tabacarana, que agora é um trio.

P: Vocês se dedicam somente à música, ou a banda é apenas um hobby?
R: Nos dedicamos exclusivamente à música. Eu conheci o Thiago (baterista) na Faculdade de Música do ES. O Juliano eu conheci num desses jazz que ocorrem às terças na Rua da Lama. Foi lá que ele me convidou pra resgatar o projeto.


P: Há planos de levar a banda para um mecardo nacional: gravar cd com composições próprias, circular entre a mídia...
R: Lógico! Esse é o sonho de qualquer músico, principalmente daqueles que vivem da música!


P: O que você acha dos blogs, sites de relacionamento e o Youtube para divulgar as bandas chamadas "underground" e dar a elas uma maior visibilidade?
R:
A internet é, hoje, o melhor veículo para a divulgação de qualquer trabalho de um músico ou banda. Ela dá toda a visibilidade necessária a trabalhos desconhecidos e pode projetar novos talentos. Veja o caso do Mickey Gang... de Colatina pra Londres! A "mobilidade" e disponibilidade do som é tremenda e sai do âmbito físico (CD, disco, DVD), sem apresentar barreiras à divulgação do trabalho artístico. Só cabe ao músico saber movimentar essa estrutura e estar preparado caso ele ganhe os holofotes da mídia.

P: Na sua opinião, existe vida musical forte e com esperança de crescer, fora do eixo Rio - São Paulo? Estaria o cenário musical capixaba incluso?
R: Lógico! É exatamente fora do eixo RJ-SP que vejo uma mescla de linguagens de bandas engajadas em dar novas roupagens a estilos já existentes.O cenário musical no Espírito Santo tem tudo pra crescer também e não está de fora dessa minha observação acima. Só precisamos de mais um pouco de tempo pra tudo amadurecer... desde o comportamento do mercado musical até o público em geral, que consome pouca cultura...

P: O repertório de vocês é bem variado, contando até com Rehab, da Amy Winehouse. É uma tentativa de abrangir mais o público de vocês, ou de mostrar que o sambarock pode "se ligar" a vários estilos?
R: Muita gente acha que o estilo só tem a ver com o Samba e o Rock, mas, na sua gênese, o samba rock mesclou vários estilos da música negra gringa com a música negra brasileira. Então, fazer versões de músicas como Rehab (funk americano que segue a estética da Motown) é muito tranquilo. Basta saber encaixá-lo dentro da proposta. Além de agradar à galera, soma muito ao nosso conhecimento musical.

P: O sambarock é um estilo que ganhou maior espaço na mídia há pouco, quem é referência nesse estilo hoje? E com quem ele começou a se popularizar?
R:
O samba rock nasceu nos morros na década de 70, passou a década de 80 no ostracismo e voltou a ganhar notoriedade na década de 90, com o surgimento de bandas como: Clube do Balanço, Samba Sonics, Trio Mocotó, Moinho, Seu Jorge... O samba rock se popularizou no início com artistas como Jorge Ben Jor, Luis Vagner, Bebeto, Bedeu, Marku Ribas, Erasmo Carlos (é, ele mesmo!).

P: Em lugares como Londres e Nova York, existem casas noturnas que já tocam o sambarock. Você vê isso como uma "moda", ou algo que tende a criar raízes?
R: Eu realmente não sei da grandeza do samba rock nestas capitais a ponto de dizer que o movimento é moda por lá. Da última vez que estive em Toronto, o que estava pegando por lá era pancadão e não vi nada de samba rock... rsSei que as bandas de samba rock tem passeado pelo mundo afora. O Clube do Balanço se apresenta tanto na América do Norte quanto na Europa. O Seu Jorge passa temporadas por lá também. Mas acredito que deva ser mais devagar. Como disse, o que pega mesmo lá fora é o pancadão carioca.

P: Juro que essa é a última! Vale só fazer cover de artistas consagrados ou o público já pede uma nova "roupagem" dos grandes clássicos, como Jorge Ben?
R: Por incrível que pareça, a maioria das canções consagradas são do Jorge Ben Jor. Seu Jorge também faz muito sucesso!O diferencial no Tabacarana é a formação. As bandas de samba rock costumam apresentar formações grandes (cerca de 10 músicos), contando com naipe de sopros e percussões. Como somos um trio, formação bem reduzida, geralmente precisamos adaptar os arranjos das músicas. Isso traz uma dinâmica diferente desde a execução até o estilo que vamos imprimir àquela canção. Às vezes tocamos composições do Jorge Ben com uma pegada mais funk ou rock, justamente pra fazer ideias antigas serem apreciadas com novos ares. Isso tudo sem perder o nosso querido remelexo do samba! rs

Super queria agradecer ao Andrey pela atenção e por ser fofo! E a Alê, por ter agilizado o contato! =)




Faaaala se não é porreta esse som?

8 de junho de 2009

Por Dentro da ROTA 77

Na música brasileira, o que não falta é gente buscando seu lugar ao sol. O amor à música e o "dom" pra ser pop star já não são suficientes. É preciso técnica, qualidade, inovação e ousadia pra conquistar o mercado, e paixão pra conquistar o público, que ainda se mantêm fiel à idéia do original do rock´n roll.

A banda ROTA 77 mostra o melhor do rock nacional e internacional. Os amigos Eduardo Avance (vocal), Adilson (baixo), Álvaro Wicher (bateria), Adrien (guitarra solo) e Marcos Paulo (guitarra base), de Novo Horizonte, formaram a banda no ano passado. Para contar um pouco da trajetória da banda, dos planos e da relação deles com o mercado e com público, convidei o Marcos Paulo para dá uma palavrinha pra gente.
A banda foi uma idéia de "juntar amigos que gostavam de música" ou os integrantes foram unidos por causa da banda?
Um pouco das duas coisas, a banda já era um projeto do Eduardo Avance (Vocalista) e do Álvaro Wicher (Baterista), que me chamaram para tocar com eles, no começo éramos apenas em quatro integrantes, um vocalista, um baterista, um baixista e um guitarrista. Conforme as coisas foram acontecendo e tudo começou a dar certo, chamamos a Adrien (Guitarrista solo) e colocamos um nome à banda.

Vocês se dedicam somente à música, ou a banda é apenas um hobby?
Todos os integrantes da banda exercem outra profissão fora dos palcos, mas fazemos da música nossa segunda profissão. Não apenas um hobby, mas levamos a sério a música e não descartamos a possibilidade de futuramente trabalharmos somente com isso.

Há planos de levar a banda para um mercado nacional?
Gravar cd com composições próprias, circular entre a mídia...Sim, estamos começando a trabalhar em nosso próprio repertório e em um futuro bem próximo pretendemos gravar nosso primeiro CD.

O que você acha dos blogs, sites de relacionamento e o Youtube para divulgar as bandas chamadas "underground" e dar a elas uma maior visibilidade?
Com a chegada da tecnologia e da Internet, muita coisa mudou em todos os ramos de atividades, e no meio musical não foi diferente. Hoje podemos contar com ótimas ferramentas como MySpace, Youtube, Orkut entre outras, que divulgam o trabalho de uma banda por toda a rede e isso ajuda muito as novas bandas. Você grava uma musica hoje e amanhã 10 mil pessoas poderão estar ouvindo ela na Internet. Isso é bem bacana.

O repertório de vocês é bem eclético, indo do rock nacional ao internacional. Como você acha que o público recebe essa mistura?
Caso haja intenção de gravar, continuaram a mesclar idiomas?Na verdade, como começamos apenas por um hobby, não tínhamos musicas próprias, por isso tocávamos e ainda tocamos músicas de todas as bandas de rock nacional e internacional que gostamos. Esse tipo de mistura é bem comum em bandas que não tocam com repertório próprio, mais pretendemos gravar nossas próprias composições em português.

Existem bandas brasileiras de rock, como o Dead Fish, que optaram por cantar em inglês. Você acredita que essa "moda" pode pegar no Brasil; que o público tem boa receptividade a isso?
Sim, não só pode como já pegou. Temos ótimas bandas como Shamam, por exemplo, que tocam em inglês e fazem muito sucesso aqui no Brasil e no exterior.

O cenário musical do rock brasileiro, hoje, tem grandes exemplos em quem se inspirar, ou são as bandas antigas, que hoje pouco produzem, que ainda são a inspiração dos iniciantes no meio musical?
Com certeza hoje temos novas bandas que já fazem um ótimo trabalho e contribuem bem para a música nacional, servindo de inspiração para muitos músicos. Mas as bandas clássicas como Legião Urbana, Barão vermelho, Capital Inicial, entre muitas outras bandas que fizeram ou ainda fazem história no cenário do rock nacional, são as principais fontes de expiração para novos trabalhos. Sem contar que são as bandas que ainda fazem muito sucesso, sendo que muitas delas já não produzem a algum tempo, como é o caso de Legião Urbana ou de Cazuza.

Na sua opinião, existe vida musical forte e com esperança de crescer fora do eixo Rio - São Paulo?
Sim, cada região marca muito seu estilo musical típico, mas justamente com a Internet, a musica já deixou de ter barreiras á muito tempo, e com isso, muitas bandas de axé fazem sucesso em São Paulo. Por exemplo, assim como bandas de rock tocam para um bom público na Bahia e com isso o cenário nacional fica cada vez mais intenso e todos nós ganhamos com isso.

E pra terminar, vale só fazer cover de artistas consagrados ou o público já pede uma nova "roupagem" dos grandes clássicos?
É sempre muito importante resgatar as músicas que fizeram sucesso com as bandas que marcaram história no cenário do rock nacional, por isso as bandas covers têm um grande valor no meio musical. Mas sempre é bom ouvir uma musica regravada por uma banda atuante, isso sustenta os grandes sucessos, impedindo que eles acabam sendo esquecido pelo público.

'E quem puder entender, que escute!

5 de junho de 2009

Eu Também Amoooo!

Eu estava super de bobeira nos blogs, e do nada vi uma blogueira, a Amanda, declarando seu amor ao Orishas - banda cubana bacanérrima! Na hora eu pensei: ahh... eu sei o que é isso! Depois pensei: por que diabos eu não postei sobre eles ainda? "O.o


Acho um chaaarme!

So...

Conheci uma das minhas paixõezinhas através do filme Dirty Dancing 2. Eu A-M-O o filme, e o Diego OH,LÁEMCASA Luna estará sempre na minha listinha de desejos de consumo. Tudo me inspira, mexe comigoe aflora essa minha latinidade (eu já falei que amo essa coisa toda, né?): Cuba, salsa, dança, espanhol, praia, mojito, vestido de cintura alta (um dia ficarei perfeeeeita em um desses!)...

Na trilha tem muita coisa boa, mas o the best é a parceria do Orishas e da Mya. A música é do grupo, mas sofreu umas alteraçõeszinhas (escreve assim?) de nada pra ficar com cara de romance. Tudo é pra lá de perfeito, e eu sei que você vai gostar!


Este é o vídeo, e eu peço so sorry por não postar aqui, mas o babaca (sem querer ofender, mas já ofendendo mesmo) que postou, pediu pra nao deixar o link que a gente joga aqui, e eu sou burra e só sei fazer desse jeito! Mas assiste lá! As cenas do filme liindas!!! Pra você se apaixonar também! a la Stefhany!

4 de junho de 2009

Rock´n Roll

Gente, so sorry, ma so post hj será minúsculo!
É que eu não tenho muito o que falar sobre essa banda, apesar de gostar muito deles. O estilo não tem muito a ver com o jeito-mariana-de-ser... E eu estou correeeeeendo pro médico e depois pra cama, porque esse friozinho pede, né?


A dica de hoje é a música I Remember You, da banda Skid Row, que já nem existe mais. Mas não deixa de ser um clássio. =)

Olha a letra aí:

I Remember You
Woke up to the sound of pouring rain,
The wind would whisper and I'd think of you.
And all the tears you cried, that called my name. And when you needed me I came through
I paint a picture of the days gone by,

When love went blind and you would make me see.
I'd stare a lifetime into your eyes.
So that I knew that you were there for me,
Time after time, you were there for me

Remember yesterday, walking hand in hand.
Love letters in the sand, I remember you.
Through the sleepless nights, through every endless day,
I'd wanna hear you say, I remember you.

We spent the summer with the top rolled down,
Wished ever after would be like this.
You said "I love you babe," without a sound.
I said I'd give up my life for just one kiss.
I'd live for your smile, and die for your kiss

Remember yesterday, walking hand in hand.
Love letters in the sand, I remember you.
Through the sleepless nights, through every endless day,
I'd wanna hear you say, I remember you.


We've had our share of hard times,
But that's the price we paid.
And through it all, we kept the promise that we made.
I swear you'll never be lonely.

Woke up to the sound of pouring rain,
Washed away a dream of you.
But nothing else could ever take you away,
'Cause you'll always be my dream come true,
Oh my darling, I love you!

Remember yesterday, walking hand in hand.
Love letters in the sand, I remember you.
Through the sleepless nights, through every endless day,
I'd wanna hear you say, I remember you.

Remember yesterday, walking hand in hand.
Love letters in the sand, I remember you.
Through all the sleepless nights, through every endless day.
I'd wanna hear you say, I remember, I remember youohhh uhhh yeah!

E dá uma suuuuper olhada no cantor gatchendo! graum nele =)




Lindo, né? É eu sabia!

2 de junho de 2009

Carrie é Uma Lição!

Eu adoro trilhas sonorass. E adoro Sex And The City. E não podia deixar de ser: Eu A-D-O-R-O a trilha sonora da série.
Cada personagem tinha uma música que era a sua cara e duzentas mil para seus rolos amorosos. Tinha umas que repetiam (Carrie e Mr. TUDODEBOM Big; Carrie e Aidan SUUUUUPERLINDO!), e outras que a gente não ouvia nunca mais (as da Samantha com qualquer um, menos o Smith). Umas mais ousadas, outras mais calminhas, tinha as fofas, as com cara de romance, as com cara de pegação, com cara de loucura, de vamos aproveitar até morrer e, claro, as com a mais total cara de amizade. E no final, isso é o que importa!
E eu amo uma, quando a Carrie FASHIONMEISMO Bradshaw estava desfilando toda poderosa e... cai na passarela! Mais poderosa ainda, ela levanta, dá um "give me a five" na Heide PODERODA Klum e continua linda até fim!
Fala se não é glamour puro!




Genteeeen, só achei esse vídeo em espanhol. Mas é pra prestar atenção na MÚSICA!

1 de junho de 2009

Eu Sou Linda! Absoluta!

Nesse final de semana, em conversa com a Júlia Nogueira, do Drop Out Now, tive o prazer de introduzir em seu mundo a Stefhany. Mais novo sucesso do cenário musical brasileiro. E não, eu não descobri sozinha. Nossa amiga Natasha Marcondes que me mostrou no Youtube e no Orkut.

A piauíense de 17 anos é a mais nova Sandy. Canta, dança e compõe, sempre assessorada pela mãe, claro. Seus shows têm um público maior do que o número de habitantes da sua cidade, Picos. É um dos maiores sucessos youtubeanos de todos os tempos, ainda que seus clipes caseiros deixem desejar. E não é só a Natasha - e eu - que se diverte com ela. Zeca Camargo, em sua coluna no portal G1, também não para de citar a menina em seus post´s. No site da Globo ela é figurinha presente e no show da Preta Gil também. Nem a Cláudia Leitte deixou passar esse sucesso!

O gritinho agudo da moça é sua marca registrada (a mãe da Sandy nem inventou gritinho pra ela...). Ela solta no meio do palco "Alô, meus gatinhooos!", e no fundo um locutor: Stefhany (sim, com fh), é pra se apaixonar! E a galera vai ao delírio! Eu sei porque eu vi no Youtube, tá? O figurino também é obra da mãe (e juro que não tem o menor tom de crítica aqui. A Britney Spears se veste muito pior!).

O que ela canta? Ah, uma mistura de calypso, com Beyoncé, Nelly Furtado e Vanessa Carlton, de quem ela faz versões ba-ca-nér-ri-mas e clipes super inspirados. Pena que no da Nelly faltou o helicóptero... Mas famosa, famosa mesmo é o hit "Eu Sou Stefhany", onde ela dirigi seu cross fox por aí e declara: Eu sou linda, absoluta, eu sou Stefhany!

E chega de lenga lenga... Põe o vídeo pra carregar e assista. Porque Stefhany É PRA SE APAIXONAR!




p.s.: A Nath é super amiga dela no orkut!